estrutura

ESTRUTURA

Parque Ambiental Encantos do Sul, em Capivari de Baixo, é destaque na região sul do estado de Santa Catarina. São 35 hectares de área verde com uma bela paisagem. Inaugurado em outubro de 2013, o Parque tornou-se referência para os mais de 350 mil habitantes que vivem nos 18 municípios que integram a Associação de Municípios da Região de Laguna (Amurel).

A gestão do espaço é da Associação Jorge Lacerda – AJL, composta por instituições de ensino superior (Unisul e Fucap), sociedade civil organizada (Ases e Amurel), bem como a instituição privada Engie Brasil Energia. O Parque tem a missão de estimular a educação ambiental e oferecer cultura, lazer e entretenimento para a comunidade, reunindo grandes públicos, principalmente, durante os finais de semana.

Com o Centro de Cultura e Sustentabilidade, o local é perfeito para, além do lazer ao ar livre, receber eventos como: congressos, convenções, feiras, lançamentos de produtos, leilões, palestras, workshops, festas de confraternização de empresas e entidades, casamentos e formaturas.

DADOS HISTÓRICOS DA EVOLUÇÃO DO PARQUE

No final de 2008 a Tractebel Energia concluiu a recuperação de todo o pátio da ex-Caeeb. Nesse processo, foram removidos 2,1 milhões de toneladas de carvão ali depositados. O local foi transformado no Parque Ambiental Encantos do Sul. O Parque surgiu depois de 15 anos de trabalho de recuperação da área, inaugurado em 18 de outubro de 2013. São 35 hectares entregues para que a comunidade da região Sul de Santa Catarina possa desfrutar de todos os valores e benefícios que as áreas verdes urbanas podem oferecer.

COMO ERA ANTES

O local onde o Parque está inserido pertencia a uma empresa estatal, chamada Companhia Auxiliar de Empresas Elétricas Brasileiras Caeeb – (comercializadora de carvão). O desenvolvimento dessa atividade, ao mesmo tempo em que proporcionou amplo progresso econômico e social para a região, gerou uma série de graves impactos ambientais sobre o solo e as águas. Ao longo dos anos, o beneficiamento do carvão formou depósitos de rejeitos de carvão (fração do material sem valor de venda), que constituíram montanhas com milhões de toneladas do resíduo, tornando-se focos de poluição. A situação tornou-se tão grave que em 1980 cerca de 4 mil hectares estavam totalmente comprometidos e o sul de Santa Catarina foi reconhecido como a 14ª Área Crítica Nacional (Decreto Federal Nº85.206/80) do ponto de vista ambiental. Os depósitos ocuparam principalmente três áreas no município de Capivari de Baixo, somando 260 hectares. Todas elas estão localizadas às margens da BR-101, próximas ao Complexo Termelétrico Jorge Lacerda. Em 1975, com a instalação da Caeeb na região, outro depósito de carvão começou a ser formado. A estatal ficou responsável pela comercialização do carvão energético e metalúrgico catarinense. O comércio da matéria-prima formou um depósito de 47 hectares e que chegou a ter mais de 3 milhões de toneladas de carvão. A área localizava-se ao lado do Complexo Jorge Lacerda, local em que a Caeeb estava instalada. Diante da necessidade de desenvolver ações para preservar os mananciais e o solo, o poder público de Santa Catarina, por meio da Fundação do Meio Ambiente, hoje Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), iniciou no final dos anos 80 um processo para recuperar essas áreas em parceria com as estatais que à época controlavam o beneficiamento e o uso do carvão (Lavacap, Caeeb e Eletrosul). Em 1998, com a aquisição da estatal Gerasul pelo Grupo Suez, controlador da Tractebel Energia, os depósitos, formados durante a operação de empresas de beneficiamento e comercialização de carvão antes de a Tractebel Energia assumir o controle do Complexo Jorge Lacerda, passaram a ser recuperados pela empresa. Com a aquisição, a Tractebel Energia ficou responsável por de 47 hectares de áreas degradadas, correspondentes ao pátio da ex-Caeeb, e também colaborou com o projeto de recuperação de outras áreas, fornecendo cinzas resultantes da queima do carvão mineral para a correção da topografia e da acidez. Além disso, realizou a redução dos pátios de depósito do carvão usado nas usinas do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda.